terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A parte mais importante


          Uma senhora estava molhando o jardim de sua casa quando foi interpelada por um garotinho de nove anos, dizendo:
       - Dona, tem pão velho?
       - Se está com fome, posso dar um jeito. Onde você mora? - perguntou a senhora com carinho.
       - Depois do zoológico.
       - Bem longe daqui, hein? Você está na escola?
       - Não. Minha mãe não tem dinheiro para comprar material.Ela trabalha o dia inteiro sem parar, mas mesmo assim falta tanta coisa lá em casa.
       - E seu pai, mora com vocês?
       - Já faz tempo que ele sumiu!
       - Antes do pão, quero que você me conte um pouco de sua vida, de seus irmãos...
       E o papo prosseguiu. A bondosa senhora jogou água nos pés do menino, deu-lhe uma toalha para se enxugar e sentou-se alguns minutos ao seu lado. Depois, disse-lhe sorrindo:
        - Vou buscar alimento. Serve pão novo?
        - Não precisa mais, não. A senhora já conversou bastante comigo, isso é suficiente. Vou andando e volto amanhã. A que horas a senhora estará aguando estas plantas novamente?
        A resposta caiu como um raio. Ela teve a sensação de ter absorvido toda a carência daquela criança sem sonhos, sem comida, sem escola e tão necessitada de uma conversa amiga. Deu-lhe um abraço e pediu que voltasse no dia seguinte , às nove da manhã, para tomarem café juntos.
        Que poder mágico tem o gesto de falar e ouvir com amor! Apenas o "pão do amor" não fica velho, porque é fabricado no coração de quem acredita Naquele que disse:
         " Eu sou o Pão da Vida!"
         
        Bem, voltando à história, assim que o menininho  veio para tomar café no dia seguinte, a senhora contou-lhe um pouco de sua própria vida, assim:


        " Quando eu era muito jovem, minha mãe me perguntou qual a parte mais importante do corpo. Eu achava que o som era muito importante para nós, seres humanos, então eu disse: "as orelhas, mãe". Ela discordou: "Não, muitas pessoas são surdas. Mas continue pensando sobre este assunto que em outra oportunidade, eu volto a lhe perguntar".
          Algum tempo se passou até que minha mãe me questionou outra vez sobre aquilo. Desde que fiz minha primeira tentativa, eu imaginava ter encontrado a resposta correta, assim, dessa vez eu lhe disse: "Mãe, a visão é muito importante para todos, então, deve ser os olhos.". Ela falou: "Você está aprendendo rápido, mas a resposta ainda não está correta, porque há muitas pessoas que são cegas."
          Pensei: " Dei mancada novamente!" Continuei minha busca ao longo do tempo. Minha mãe voltou a fazer a mesma pergunta em várias outras oportunidades e, sempre que eu opinava, sua resposta era a mesma. "Não, mas você está ficando mais esperta a cada ano."
          Então, um dia meu avô morreu. Todos choravam. Até mesmo meu pai chorou! Eu me recordo bem porque tinha sido apenas a segunda vez que eu o vi chorar. Quando fui dar o adeus final ao vovô, minha mãe olhou para mim  e me perguntou: " Você já sabe qual a parte do corpo mais importante?" Eu fiquei chocada por ela me fazer aquela pergunta naquele momento! Eu sempre achei que era apenas um jogo entre ela e eu.
         Observando que eu estava confusa, ela me disse: "Esta pergunta mostra como você viveu realmente a sua vida. Para cada parte do corpo que você citou no passado, eu lhe disse que estava errada e lhe dei um exemplo que justificava. Hoje é o dia que você necessita aprender esta importante lição."
          Então, ela me olhou de um jeito que somente uma mãe pode fazer. Eu vi lágrimas em seus olhos quando disse: " Minha querida, a parte do corpo mais importante é o seu ombro". Eu estranhei e lhe perguntei: " Por que eles sustentam minha cabeça?"." Não, é porque pode apoiar a cabeça de um amigo ou de alguém muito amado que chora. Todos precisam de um ombro para chorar em algum momento da vida! Eu espero que você tenha bastante amor, amigos e que tenha sempre um ombro em que eles possam chorar quando precisarem".
          Então eu descobri que a parte mais importante não é indiferente à dor dos outros. As pessoas poderão se esquecer do que você disse, de muita coisa que você fez, mas jamais se esquecerão de como você as amparou.

            Para refletir: 

          Quando éramos crianças, a ideia de um bom amigo certamente era sempre a da pessoa que segurava a nossa mão quando passávamos por lugares que davam medo,  ou  do amiguinho que dividia o lanche e brincava conosco. Na adolescência, o bom amigo era aquele que nos ajudava nas tarefas escolares e  ria conosco. Talvez hoje, a ideia de um bom amigo seja a pessoa que nos passa confiança, desfaz planos para arranjar tempo para ficar conosco, ajuda-nos a consertar nossos erros, sorri quando estamos tristes e , acima de tudo, nos ama de verdade! Tudo isso se resume no "ombro amigo". 

             Entre nossos ombros amigos, lembremo-nos sempre de colocar em lugar especial a nossa família e aquele grande amigo, que é  o maior de todos...aquele que nos dá "pão novo"...aquele que nos oferece os dois ombros...aquele que nos entrega o coração...aquele que se faz pobre à nossa porta... Jesus Cristo! Quem o conhece, encontra a verdadeira felicidade!!!

   Texto e reflexão retiradas do livro " Mensagens que agradam o coração, de Paulo Roberto Labegalini, 
                                                                    Editora Vozes.


                                      

8 comentários:

Graziella disse...

Olá.....
passando pra desejar uma ótima semana.. cheia de bençãos... bjinhoo.. :):)

Bixudipé disse...

Que lindo conto; como é bela a reflexão; adorei!

Abração,

Rodrigo Davel

Célia disse...

Que linda e comovente história. Fez-me refletir e muito sobre o "ombro amigo" em que sempre nos apoiamos em nossas fraquezas.
Abraço, Célia.

Tunin disse...

Uma história maravilhosa versada num conto com grande reflexão. Abraços.

Carla Fernanda disse...

OMbros abençoados sejam que serviram para fazer nascer um mundo novo de esperança para a criança nesta bela mensagem Ângela.
Beijos e boa noite!!!

Fernanda disse...

Nunca tinha pensado a respeito do valor de um ombro. Amei!

O amor de Deus disse...

Que texto lindoooo.... Amei... Realmente na infância e adolescência pensamos ser amigo aquele que anda para todos os lugares conosco e que não desgruda em nenhum momento...
Quando ficamos mais velhos percebemos que o amigo é aquele que tenta de tudo para estar próximo de ti te apoiando nos momentos mais difíceis... Eu tenho amigos assim e me orgulho de dizer que os amo.....

Juliana Manente disse...

Olá, Angela
Passei para conhecer seu cantinho e retribuir sua visita, lá no Miss Florinda!
Adorei, em especial esse texto, cheio de vivência e amor...
um bj